O começo do ano de 2019 foi bem diferente se tratado de jornalismo e meteorologia. Foram várias fake news soltas por aí sobre o forte calor, citando nomes do INMET e do CPTEC e também sobre os furacões devido aos fortes temporais que ocorreram no Sul e no Sudeste.

Com todas essas notícias circulando pelas redes sociais, parte da população, da mídia e até mesmo o governo – pelo menos por um tempo, passaram a olhar a meteorologia com outros olhos.

Sempre após um evento extremo como fortes temporais, tornados ou uma grande onda de frio as pessoas  passam a se perguntar: Por que a meteorologia não tinha previsto aquela chuva? Foi a meteorologia que não previu ou não houve divulgação da notícia por parte da imprensa?

Quando alguém entra no curso de meteorologia (sim, existe uma graduação específica para ver como vai ficar o tempo), de cara, a pessoa já é bombardeada com perguntas: vai chover amanhã? Quando vai fazer frio? No fim de semana quero ir para praia, vai estar calor?

De alguns anos pra cá, a meteorologia é muito mais do que simplesmente saber se vai chover ou não. 

O objetivo deste conteúdo é mostrar para você como pode usar a meteorologia no seu jornal para ganhar credibilidade, confiança e, consequentemente, aumentar a sua audiência.

Aproveitando que a previsão do tempo já é um dos quadros que tem maior audiência, você pode aumentar ainda mais com a confiança nas notícias mais importantes relacionadas ao tempo e até mesmo antecipar notícias como o aumento ou diminuição na conta de energia, se antecipar sobre o preço dos produtos agro e ficar bem informado sobre a expectativa do consumo do varejo nas principais datas comemorativas.

Continue com a gente para saber como você pode aproveitar a meteorologia para aumentar a credibilidade e a audiência do seu telejornal.

Qual é a melhor forma de noticiar um temporal?

Sem dúvida a notícia de um temporal é um dos principais destaques da meteorologia no jornalismo. Porém, é importante ter cuidado com a forma de falar para não causar pânico na população. Então, como fazer isso?

Quando a previsão do tempo é realizada para a grande mídia, é importante ver onde tem maior risco de um forte temporal. Analisar da forma mais precisa possível o local, horário aproximado e o tipo de chuva que vai ocorrer. Se é uma chuva que persiste o dia todo ou se é uma chuva que pode ocorrer em poucos minutos, mas com potencial de causar alagamentos.

Os meses do ano com maior chance para temporais estão na primavera e no verão.

É importante a mídia ficar com os olhos abertos para a meteorologia para saber quais dias é melhor para noticiar um temporal com potencial para alagamentos e deslizamentos de terra, alertar a população de forma clara, sincera e sem pânico. Ou até mesmo, produzir séries especiais sobre o tema.

Para dar esse alerta de forma confiável, é importante o jornal estar alinhado com a defesa civil local e responder:  Porque essa chuva de hoje pode causar alagamentos e deslizamentos e a de ontem não? Isso apenas um meteorologista pode responder e, com os devidos argumentos, é mais fácil convencer alguém que é verdade e que medidas têm de ser tomadas.

Um grande exemplo disso ocorreu no próprio Rio de Janeiro. Depois que uma frente fria devastou a Capital fluminense em fevereiro, a mídia e o próprio governo perceberam a importância da meteorologia. Evento esse que se repetiu em abril, porém os alertas chegaram à população com a ação em conjunto da meteorologia com os meios de comunicação.

E o resultado? A ação da mídia em conjunto com a defesa civil do estado, resultou em pouco impacto para a população apesar da chuva ter sido mais forte do que o evento anterior.

A meteorologia não escapa das fake news

Cada vez a fake news toma conta dos noticiários e da população com a divulgação das redes sociais. A mídia tem que ficar com as “antenas ligadas” e apurar o que é verdadeiro ou falso. Analisar a notícia e desmentir com argumentos válidos tudo aquilo que for incorreto.

No começo de 2019, o mundo meteorológico foi envolvido em uma série de fake news. Inclusive, algumas envolveram o nome do INMET e do CPTEC, falando que fevereiro iria ser o mais quente já registrado, e para completar, sem uma gota de água. Essa notícia desesperou parte  da população.

De tão absurda era a notícia, os próprios institutos desmentiram a notícia em seus respectivos sites.

Outra fake news que tem todo ano é de que algum furacão vai atingir o Sul do Brasil ou até mesmo, o Rio de Janeiro. Sendo que o fenômeno só atingiu terras nacionais uma única vez, em 2004. O famoso Catarina. O único furacão que se tem registro no Atlântico Sul.

O jornalismo que preza pela qualidade da informação, deve desmentir isso em base científica para dar confiança à população de que a notícia é falsa e, quando houver algo de importante que impactará diretamente na população, dar a notícia correta.

Como a meteorologia pode direcionar pautas econômicas

Nos artigos da Somar Meteorologia, sempre batemos na tecla de que hoje a meteorologia não é apenas sobre chuva ou sol. Você pode aproveitar a meteorologia das mais diversas formas possíveis. E o mundo do negócio já se ligou nisso e o jornalismo, também tem caminhado para esta vertente. 

O maior exemplo disso é a variação da bandeira de energia. Ninguém quer pagar caro por energia, ainda mais se é um gasto fixo mensal e que você não pode viver sem.

O preço da conta de energia elétrica varia de acordo com o nível dos reservatórios, logo, a meteorologia está dentro deste assunto. 

Se um jornal fizer uma pauta sobre este tema, por exemplo, pode se antecipar em relação às concorrentes e dar em primeira mão se a bandeira tarifária corre o risco de aumentar ou diminuir. Isso, chama atenção do público e como resultado, e como consequência,a credibilidade e audiência aumenta. 

Outro exemplo é em relação aos reservatórios de abastecimento. Depois da crise hídrica que a região metropolitana de São Paulo enfrentou entre 2014 e 2015, os jornais passaram a olhar mais a situação dos reservatórios, que afetam diretamente a população.

O agronegócio também não escapa do assunto meteorológico. Uma vez que as plantações e até mesmo os rebanhos dependem diretamente de chuva.

A população sente no bolso quando vai às compras e percebe que o preço do tomate aumentou, por exemplo. Mas muitas vezes isso se deve ao fato de uma chuva que aconteceu meses atrás. Se a grande mídia souber que uma chuva forte (ou a falta dela ) pode prejudicar uma determinada cultura, já pode produzir uma pauta sobre o assunto e ser uma das únicas a anunciar um possível aumento no preço com meses de antecedência.

Até mesmo mundo do varejo entra nessa lista. Ora, se uma estação de verão for muito mais quente do que o normal, vai ter um aumento na procura de ventiladores e ares-condicionados e, consequentemente, maior consumo de energia. Se o inverno for mais rigoroso, haverá uma maior busca a aquecedores, por exemplo.

A mídia que cobre algum evento – seja esportivo, gastronômico ou musical, a previsão do tempo também pode ajudar muito. Afinal, saber se vai chover ou não e se vai estar calor ou não durante o evento, influencia diretamente na procura e no consumo do público alvo. Isso vale até mesmo para alguma gravação ao ar livre que a emissora estiver planejando.

Como a meteorologia e a audiência podem caminhar juntas?

O mundo jornalístico sempre tem que estar alguns passos à frente da notícia. Com isso, se estiver ligado na previsão do tempo, muitas pautas e matérias especiais podem ser produzidas e consequentemente, atrair uma maior audiência na sua grade.

O lance aqui é “pensar fora da caixinha”. Ter em mente que hoje a previsão do tempo pode ir além de mostrar um mapa com sol e chuva. 

Se você chegou até aqui já pode estar pensando muito além do que pensava antes de abrir este conteúdo. Uma série de matérias podem ser realizadas em todas as épocas do ano, de acordo com cada estação.

Temporais e transtornos nas cidades, tempo seco e saúde, calor, frio, geada… Tudo isso e muito mais impactam no dia a dia da população. Matérias mais complexas que podem despertar uma curiosidade do público como a influência da meteorologia no preço de energia e nos alimentos também pode garantir o seu lugar.

Se você gostaria de ampliar ainda mais as suas ideias para construir alguma pauta renovadora, clique aqui e fale com o time da Somar Meteorologia para explorar a meteorologia em sua credibilidade no seu jornalismo.