Ao analisar as tendências de mercado, muitos gestores avaliam fatores como a economia do país em determinada época, percentual de endividamento da população, artigos que estarão na moda. Mas ainda são poucos os que analisam a influência do clima na gestão de estoque no varejo.

Em nosso blog, já falamos de como a mudança de temperatura afeta as vendas em diferentes segmentos do varejo. Uma das consequências disso para o gestor é que há uma mudança grande no que diz respeito aos estoques.

Neste post, vamos explicar melhor a influência do clima na gestão do estoque, de forma a ajudar o empresário e o executivo a planejarem melhor a reposição dos produtos. Boa leitura!

Como o clima influencia a gestão de estoque?

No varejo, muitos são os segmentos que sofrem influência direta das mudanças do tempo. Vestuário, utensílios, aparelhos eletroeletrônicos, materiais de construção e o mercado de alimentos são alguns deles. É comum que as empresas desses ramos procurem trabalhar com estoque zero, ou somente o suficiente para dois ou três dias, e têm reposição constante.

Quando se pensa em evitar estoques parados, o clima tem uma grande influência em alguns negócios. Por exemplo, aparelhos eletrônicos, ar-condicionado tanto para ar frio como para ar quente, chuveiro, torneira elétrica para cozinha e banheiros, geladeira, freezer, sorvete e outros derivados de leite, como iogurtes e pudins, são vendidos muito mais em temperaturas quentes do que em dias frios.

Na indústria da moda, as coleções são planejadas tendo justamente em consideração as estações do ano: outono-inverno e primavera-verão. Mas as maisons, marcas e lojas devem também estar atualizadas quanto ao tempo de cada ano, se o inverno será mais ou menos rigoroso, se as temperaturas no verão serão mais altas ou amenas. Isso influencia não só nos estoques, mas até nas próprias coleções.

Esses são alguns exemplos de produtos que são vendidos no varejo que possuem influência direta com o clima e que, caso a pessoa não tenha o devido cuidado, o estoque ficará parado ou vai faltar produto no mercado. Pensando nisso, utilizar o Supply Change Management permite gerenciar toda a cadeia de suprimentos para evitar uma área grande de estoque, em que os produtos fiquem parados. Dessa forma, o dinheiro pode ser utilizado para o aluguel ou para outra conta que estiver para vencer.

Quais são as consequências de não monitorar o clima?

Os monitoramentos de mercado indicam que quando há uma mudança intensa de temperaturas que dura três dias ou mais, o comportamento do consumidor muda junto. O resultado disso é a compra de produtos para satisfazer a necessidade gerada pelo tempo. 

Por exemplo, vamos pensar em uma pessoa tem uma torneira de água fria na cozinha. No primeiro dia de uma frente fria, esse consumidor continua com a sua torneira de água fria. No segundo dia de frio, já começa a haver uma reclamação quanto à água fria. No terceiro dia, ele decide comprar uma torneira elétrica que aqueça a água para lavar as louças.

Tal comportamento acentua-se caso a temperatura se mantenha alta ou baixa depois desse período de três dias. No caso do calor, haverá um pico de vendas de determinados produtos, como milkshakes, sorvetes e cervejas, e outros vão ficar no estoque, como o chocolate quente.

Quando há uma falta de planejamento dos estoques com relação ao clima, pode haver perdas e desperdícios. Vamos considerar, por exemplo, o setor de alimentos. Se um restaurante faz uma grande reposição de estoque de sorvetes em maio apostando nas altas temperaturas e o inverno chega mais cedo naquele ano, seus freezers ficarão cheios de um produto que não será consumido tão cedo.

Por mais que estejamos falando de produtos congelados, que têm uma validade maior do que os frescos, dependendo da duração desse inverno esses sorvetes já não estarão mais apropriados para o consumo.

Já no caso de outros setores, o problema pode ser de espaço. Se uma empresa de eletrodomésticos faz uma compra grande de aparelhos de ar-condicionado dias antes do início do inverno, ficará com aqueles produtos atravancando os armazéns, que poderiam ser usados para guardar aquecedores e outros itens de grande procura nos dias mais frios.

Esses exemplos mostram claramente que o clima vai influenciar na compra. Todas as estações influenciam. O verão está chegando e tudo deve ser considerado: se vai ser mais quente ou mais frio do que ano passado, se teremos períodos de calor intenso e de chuvas. Tudo isso é importante para que a empresa saiba quais tipos de produtos vai necessitar e também para que não fique com um estoque cheio.

Como fazer o monitoramento do clima?

O monitoramento pode ser feito em dois níveis, no curto e no longo prazo. Para o período de até 30 dias, trata-se de previsão de tempo. Para algumas regiões, a acurácia das previsões podem chegar até os 85% a 90% — ou seja, fornecem informações bastante confiáveis para o gestor do varejo.

Se a previsão for para períodos mais longos, trata-se da variação climática. Nesse caso, os índices de acerto chegam a aproximadamente 75% a 85%. Ambos os parâmetros são importantes do ponto de vista da gestão de estoques, pois algumas ações devem ser planejadas com maior antecedência, enquanto outras exigem ações mais rápidas.

O monitoramento disso ajuda as empresas a fazer uma previsão de vendas. No caso da indústria farmacêutica, por exemplo, esses dados podem fazer uma grande diferença no desempenho da empresa.

Nos períodos mais frios, cresce a procura por medicamentos para bronquite, sinusite, inflamações de garganta e nos ouvidos. O gestor que tem uma previsão de como será o inverno naquele ano pode fazer a sua própria estimativa de como serão as vendas e, dessa forma, preparar os estoques.

Porém, é preciso ter atenção a um fator: a atmosfera terrestre está em constante mudança, o que significa que o tempo também muda a toda hora. Por isso, é imprescindível fazer um acompanhamento das previsões. De um mês para o outro, pode haver alguma alteração que interfira nos negócios.

Como usar as informações meteorológicas para aproveitar as oportunidades?

O uso de um serviço de informações meteorológicas permite ao gestor uma tomada de decisões com maior segurança, fazendo o correto gerenciamento de riscos. De posse dos dados sobre o tempo e o clima, ele pode fazer o planejamento de seus estoques. 

Normalmente, o mais comum é que se associe o clima somente às temperaturas. Mas outros fatores também têm uma influência grande. Alguns restaurantes que ficam dentro dos shoppings, por exemplo, veem sua venda de chopp aumentar em dias de chuva. Por outro lado, os consumidores sentem-se mais propensos a ficar em casa em dias frios. Não é à toa que a audiência das TVs e a venda de milho para pipocas aumentam na época de frio.

Porém, a empresa só conseguirá se preparar para essas situações se acompanhar as variações climáticas. Por não dar a devida atenção a isso, muitos gestores acabam perdendo cerca de 10% a 15% de um mercado que poderia ser explorado.

Resumindo, as variáveis climáticas afetam o comportamento do consumidor e isso pode levar ao prejuízo ou não das empresas. Portanto, essa influência do clima na gestão do estoque deve ser usada como uma oportunidade para as organizações. Para isso, basta estar atento à previsão meteorológica.

Se você achou que este conteúdo agregou valor para você, assine a nossa newsletter e tenha acesso a muito mais!