Você marcou um grande evento, com uma grande estrutura, um grande investimento e chega o momento tão esperado e… chuva! Lá se vai todo dinheiro investido.

Já faz um tempo que a meteorologia deixou de ser utilizada apenas para o dia a dia da população, atualmente, ela é essencial também para diversos segmentos do mercado que impacta diretamente no lucro e prejuízo de diversas empresas.

Para um grande evento ao ar livre, é de suma importância que o tempo colabore. Mas será que os organizadores contam com a sorte ou tomam medidas para se planejar e fazer um grande evento sem nenhum imprevisto?

Neste conteúdo iremos te mostrar como a meteorologia vai te ajudar a não gastar dinheiro de forma desnecessária e a se preparar para tudo que possa ocorrer durante o seu evento, seja ele uma feira de livros ou gastronômica ou um grande show de música.

Lucro ou prejuízo? Como a meteorologia pode ajudar.

É comprovado que as pessoas consomem mais quando estão felizes.

Também é comprovado também que as pessoas se sentem mais confortáveis em consumir produtos ao ar livre, com uma temperatura agradável ou adequada com o tipo de produto oferecido a elas.

Este é o cenário ideal para um evento realizado ao ar livre: pessoas felizes e vendas a todo vapor.  Mas nem sempre funciona assim!

Basta um céu carregado, um vento mais forte e a primeira gota d’água cair do céu para o seu público começar a se dispersar e as vendas caírem. Até que a chuva pesada começa e estragar todo produto investido. E dá-lhe prejuízo!

Abaixo, vamos ver alguns impactos que a meteorologia tem em alguns eventos realizados ao ar livre.

Feiras ao ar livre

Está cada vez mais comum nas cidades as feiras de livro, artesanato, gastronômicas e até mesmo, exposições ao ar livre. A previsão do tempo para estes eventos é um dos fatores determinantes para o lucro ou prejuízo. E nem precisamos falar especificamente da chuva, um vento mais intenso já pode causar grandes estragos.

Claro que a chuva é a variável meteorológica mais temida para os organizadores. Imagine só os livros ou a comida sendo molhada ou as pessoas fugindo do local do evento para se proteger da chuva.

Normalmente o organizador tem prejuízos em dobro: grande parte do investimento do produto pode estragar de tal forma que será impossível reaproveita, e o pior, não haverá público para venda.

Eventos esportivos

Eventos esportivos também entram nesta lista. Um jogo de tênis, por exemplo, só pode ser realizado com tempo firme ou no minimo chuva fraca. Então, marcar uma partida em uma época chuvosa ou no período da tarde durante o verão, poderá haver grande risco de chuva.

Até mesmo as corridas de rua, que estão mais populares. Grande parte delas ocorrem de manhã, onde a chance de chuva é menor. Exceto se há alguma frente fria a caminho ou outro sistema meteorológico como uma baixa pressão para provocar chuva nas primeiras horas do dia.

Porém, geralmente os organizadores preparam um café da manhã especial para os corredores e se chove, os alimentos estragam. Outro fator, é a temperatura baixa durante o inverno, sendo prejudicial aos corredores.

Esportes de grande porte também não estão isentos. A fórmula 1, por exemplo. Sempre ocorre em novembro, que é um mês onde já volta a chover bastante. E a chuva é muitas vezes a protagonista, ela que determina qual estratégia será usada no momento da corrida, que influencia diretamente no resultado da competição.

Lazer, turismo e hotelaria

Quem nunca olhou a previsão do tempo para ir à praia que atire a primeira pedra. Neste caso, o prejuízo é mais particular. A pessoa aluga a casa na praia, gasta com gasolina e pedágio e quando chega lá, a chuva acaba com todo o passeio.

Podemos extrapolar isso para as agências de turismo e hotelaria.  É um erro comum as pessoas pensarem que no Nordeste é calor o ano inteiro. Por um lado, isso é uma verdade, mas com uma grande ressalva: depende da parte do Nordeste. Conhecer a climatologia do local é extremamente importante para este tipo de mercado.

Nos primeiros meses do ano, a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) está mais próxima do litoral norte da Região, com isso há mais chance de chuva. Consequentemente, menos proveitoso será o seu passeio.

Já no leste nordestino, o período chuvoso é entre maio e agosto, por conta de um outro fenômeno meteorológico: Ondas de Leste.
Cada vez mais os turistas brasileiros estão fazendo cruzeiros em transatlânticos, movimentando bilhões de reais por ano.

As empresas responsáveis por este tipo de turismo está sujeito a imprevistos, porém previstos, pela previsão do tempo.

Elas precisam olhar a previsão não apenas nas cidades onde irão atracar, mas também durante todo o trajeto, e no oceano: saber como estará o vento e a onda em alto mar vai determinar se a viagem será mais tranquila ou não. E lembrando: pessoas felizes consomem mais!

 Show de música

 Vamos pensar agora em um grande show de música ao ar livre. Dificilmente o público deixa de ir aos shows mesmo com chuva até por que, grande parte deste público compra o ingresso meses antes e para os empresários, é difícil escolher o dia exato pois depende da agenda do artista. Então vamos pensar de outra forma.

Nestes shows é comum a venda de bebida alcoólica e comida, por exemplo. Se o tempo estiver chuvoso ou frio, o consumo será menor, não gerando o lucro planejado pelo organizador, podendo haver perda de produtos investidos.

Pescaria

A Região Norte é conhecida pelo grande volume de chuva durante todo o ano. Mas também é um dos destinos mais procurados pelos pescadores brasileiros, assim como o Pantanal. Porém, com a chuva, os peixes tendem a não ficar perto da superfície, consequentemente, não serão pescados e todo o dinheiro da viagem e dos equipados, podem ser perdidos.

Televisão

Quando estamos assistindo um programa na televisão, dificilmente paramos para pensar sobre o seu bastidor; Como aquela gravação foi realizada?. Você já parou para pensar sobre as gravações ao ar livre?

Os programas culinários estão em alta no Brasil e no mundo, batendo recordes de audiência. Mas e se durante a gravação de uma prova, cai um temporal? Todo o tempo e planejamento do programa são perdidos.

A meteorologia pode ajudar inclusive em uma gravação de programa ou filme, auxiliando em estratégias para gravar sem a interferência do mau tempo.

Soluções que a meteorologia oferece

Conhecer a climatologia da região de onde você quer fazer o seu evento é o ponto básico. Mas apenas isso não é o suficiente. Isso porque a atmosfera está em constante movimento e mudança. A questão é justamente saber melhor sobre a anomalia, sobre o comportamento diferente que a atmosfera vai ter nos próximos meses.

Quando você consulta um meteorologista para elaborar o seu planejamento de evento ao ar livre, você está pensando em diminuir o prejuízo que você pode ter com o tempo e maximizando a diversão e o público que você vai atrair.

Sabendo que vai ter um bloqueio atmosférico em um mês – ou seja, em grande parte deste mês não vai ter chuva e será de muito calor – você tem grandes chances de vender mais do seu produto na sua feira ou atrair mais pessoas para o seu turismo. E quem sabe, fazer parcerias com empresas de protetor solar para atrair diferentes tipos de público. A questão é “pensar fora da caixinha”.

A Somar Meteorologia conta com vários tipos de boletins diários, semanais e anuais que auxiliam diversas empresas a tomar as melhores decisões possíveis.

Realizamos também, com grande avanço tecnológico, monitoramento 24 horas por dias, 7 dias por semana, para saber se a chuva está chegando a sua área, se algum raio está a caminho ou vento forte.

Além de tudo isso, a Somar Meteorologia está investindo cada vez mais para a precisão e a acurácia serem mais altas e para que o aviso chegue o mais rápido e mais claro possível até você.

Se você tem alguma dúvida sobre como a Somar pode te ajudar em seu evento ao ar livre, clique aqui e entre em contato com a Somar Meteorologia.

Powered by Rock Convert