Quem acredita que as estações do ano influenciam somente em setores específicos, como o agronegócio e a pecuária, pode estar cometendo um enorme erro estratégico. As mudanças das condições meteorológicas têm um profundo impacto na economia, nos mais diversos setores.

Neste artigo, falamos um pouco mais sobre essa relação, para que o gestor dos mais variados segmentos possa se planejar, tendo em mente o fator climático entre seus dados do processo de tomada de decisões. Continue a leitura e atualize-se!

Qual a relação das estações do ano com a economia?

Apesar de o Brasil ter pouco definidas as estações, as variações climáticas que temos ao longo do ano já são suficientes para provocar mudanças no comportamento de compra. Como consequência, há uma alteração no dia a dia dos negócios e dos consumidores. Nas semanas mais frias do inverno, por exemplo, há uma busca maior por uma determinada gama de eletrodomésticos. As lojas devem estar preparadas para suprir a demanda por aquecedores elétricos e a gás, lareiras modernas e fogões a lenha.

Esses exemplos são particularmente válidos para a região Sul do Brasil e também para algumas cidades do interior de São Paulo, que podem chegar a temperaturas bastante baixas no inverno.

Mas, é claro, a agricultura e a pecuária também são altamente afetadas pelas estações. As chuvas interferem diretamente em quando plantar e quando fazer a colheita. A intensidade das precipitações também pode indicar as melhores variações a serem plantadas para uma melhor safra.

Já no que diz respeito ao gado, o estresse térmico é um dos principais fatores que interferem na criação dos animais. Assim, o gestor precisa saber das previsões das temperaturas para tomar as devidas providências para dar conforto térmico para os animais. Um exemplo pode ser a instalação de ventiladores nos currais, ou a construção de locais de sombra nos pastos.

Como esses mercados fazem para girar a economia?

Vamos ver mais detalhadamente de que forma as mudanças das estações do ano interferem nos diferentes setores.

Variações no varejo

O inverno no Brasil é pouco rigoroso e tem duração relativamente curta. Mesmo assim, muitos setores e diferentes indústrias sentem uma mudança nas demandas. Equipamentos típicos do inverno sempre têm uma alta de demanda.

Se o inverno for mais úmido, aí se cria outra necessidade: por secadoras de roupas e desumidificadores de ambientes. Os gestores do varejo precisam ficar de olho nessas tendências meteorológicas para poderem se planejar e abastecer os estoques desse tipo de produtos.

Já a indústria da moda e a de cama, mesa e banho precisa ter em seus estoques uma quantidade adequada de casacos, botas, acessórios de inverno e também cobertores e mantas.

Indústria farmacêutica

No inverno, aumenta a circulação de diversos vírus, inclusive o da Influenza. Também são mais numerosas as ocorrências de resfriados e crises alérgicas. Por isso, a indústria farmacêutica deve se preparar para atender a uma maior demanda por certos tipos de medicamentos.

Dois exemplos são os antigripais e os antitérmicos. Analgésicos também acabam entrando nesse fluxo, já que um dos sintomas dessas viroses de inverno são as dores de cabeça. Outro produto que também tem aumento de procura nessa época são os soros para inalação e vaporização.

Culturas específicas do inverno

Na criação de gado, o verão costuma ser o período em que os produtores mais fazem alimentos conservados para os animais. Mas o inverno também pode ser aproveitado para a produção de pré-secados, feno e silagem.

O que o produtor precisa observar, nesse caso, é a melhor variedade para o cultivo nessa época do ano. Hoje em dia, há variedades de trigo com alto valor nutricional e boa resistência às condições de umidade e temperatura do inverno. Essas espécies oferecem excelentes opções para a produção do alimento seco para o gado.

Alimentação do gado leiteiro

No inverno, o gado leiteiro já tem uma queda natural na produção. Se não houver uma atenção especial à alimentação dos animais nessa época, essa queda pode ser ainda maior, representando um enorme prejuízo para o criador.

Os gestores de fazendas leiteiras devem prestar atenção à previsão do tempo para saberem quando devem mudar a alimentação do gado. A Emater recomenda, para essa época, a aveia Iapar 61, que tem uma alta qualidade nutricional e também um ciclo rápido. Assim, os campos ficam liberados mais cedo para a produção das espécies de verão.

Outra possibilidade, usada pelos produtores em Minas Gerais, é a cana-de-açúcar misturada a um composto de minerais. Essa alimentação consegue prover os animais com os nutrientes necessários e manter o nível da produção.

Como a economia se comporta nas demais estações?

Neste texto, demos mais destaque ao inverno. Mas é claro que nas outras estações do ano também há suas peculiaridades que afetam os negócios e o dia a dia dos consumidores. A relação mais óbvia que podemos fazer é entre o verão e a enorme busca por aparelhos de ar-condicionado e ventiladores. Mas nessa época cresce, também, a procura por equipamentos para piscinas, tanto para instalação como para manutenção.

Esse é o período de maior demanda para as indústrias de moda praia e moda fitness. As coleções de biquínis e maiôs são lançadas a tempo de atender a demanda dos meses mais quentes. Porém, as ondas de calor durante o ano também provocam um movimento nesse setor. Essas indústrias devem estar atentas a essas ocorrências meteorológicas para atenderem às demandas geradas por mudanças na temperatura.

O setor da alimentação é outro que deve estar sempre atento às estações do ano. Em primeiro lugar, porque há uma demanda por produtos diferentes de acordo com o tempo. Nos meses mais frios, as pessoas têm mais vontade de pratos quentes e as chamadas comfort food — como sopas, caldos e cremes, além dos chocolates e outras bebidas quentes.

Já nos períodos mais quentes, é hora de reforçar no cardápio todos os pratos frios, além de sucos, sorvetes e outras opções geladas, como tigelas de açaí. Além da questão dos menus, há os ingredientes: cada mês é época de determinadas frutas, legumes e folhas. Levar isso em consideração é um fator-chave para oferecer um menu mais fresco e, ao mesmo tempo, pagando mais barato nos ingredientes.

As estações do ano influenciam na economia de forma muito direta em diversos setores. O bom gestor deve ter consciência desse poder da natureza sobre os negócios e se planejar para navegar bem nas diferentes épocas. Dessa forma, ele conseguirá otimizar os recursos de seu negócio, ter maiores ganhos e evitar prejuízos — independentemente de qual setor atua.

Se este conteúdo foi útil para você, compartilhe-o em suas redes sociais e gere um diálogo sobre o assunto com seus amigos e colegas de área!