Chuvas intensas, tempestades e vendavais são eventos que não conseguimos evitar. Entretanto, com as tecnologias disponíveis, é possível saber quando eles vão acontecer e, dessa forma, evitar danos causados por desastres naturais.

A meteorologia tem um papel importantíssimo nisso, ao lado de órgãos do governo como a Defesa Civil. Neste artigo, vamos explicar de que forma a previsão do tempo ajuda a evitar grandes catástrofes e a importância dessa ciência no planejamento das cidades. Continue a leitura e fique por dentro!

O que são desastres naturais?

Pelo próprio nome, não é difícil imaginar que estamos falando de eventos de grandes proporções causados pelas forças da natureza. Dentro dessa definição, estão vários tipos de acontecimentos relacionados a diferentes aspectos naturais. Veja!

Desastres climáticos

São eventos associados aos efeitos do clima severo em uma determinada região e perduram durante semanas ou meses. Um exemplo é uma seca mais longa do que o habitual, que pode ser causada por um fenômeno como El Niño ou La Niña.

Desastres geofísicos

Trata-se dos acontecimentos gerados na superfície da Terra ou abaixo dela. São considerados desastres geofísicos os terremotos e as erupções vulcânicas, por exemplo.

Desastres hidrológicos

São todos aqueles provocados pela força das águas. Assim, podemos citar como exemplos os maremotos e as inundações.

Desastres biológicos

Dependendo das proporções que atingirem, pragas e doenças também podem ser consideradas desastres naturais. Foi o caso da epidemia do vírus ebola que assolou a África Ocidental no fim de 2013 e início de 2014. Outros exemplos são as pragas que afetam lavouras, geralmente associados ao desequilíbrio do ecossistema.

Qual a diferença entre desastre natural e meteorológico?

Existe ainda outro tipo de desastre natural: o meteorológico. Relativamente comum, trata-se de ocorrências ligadas a eventos extremos atmosféricos. Alguns exemplos são os furacões, vendavais, tempestades e tufões. Podemos dizer que todo desastre meteorológico é um desastre natural, mas o inverso não é verdadeiro. Isso acontece porque há outras áreas da natureza que podem causar eventos de grandes proporções e com sérias consequências.

Mesmo os desastres naturais que não são de ordem meteorológica podem estar relacionados à meteorologia. Quando há a erupção de um vulcão, por exemplo, além de toda a lava expelida — o que já é um desastre natural por si só —, também pode haver a emissão de cinzas. Essas ficam suspensas na atmosfera e podem provocar por exemplo o desvio de rotas aéreas.

Ou seja, fenômenos meteorológicos podem provocar desastres naturais. É o caso das avalanches, grandes enchentes, formação de tornados, geadas intensas e outros. Mas, como na natureza todas as partes “conversam” entre si, um fenômeno atmosférico pode desencadear outro.

Como a meteorologia ajuda na prevenção desses desastres?

A palavra “desastre” só é usada pela Defesa Civil quando há a possibilidade de consequências naturais ou humanas, ou algum tipo de prejuízo. A previsão do tempo tem um forte papel na prevenção e na contenção desses danos.

A ciência da meteorologia estuda tudo o que acontece na atmosfera. Como boa parte dos desastres naturais ocorre a partir de condições atmosféricas específicas, entender o motivo dos fenômenos e quais são os riscos envolvidos é fundamental para a sua prevenção.

Com base nessa preparação, é possível realizar programações para minimizar possíveis danos e elaborar ações preventivas. Agora, saiba como a meteorologia atua nesse aspecto!

Trabalho em conjunto com a Defesa Civil

A Defesa Civil é o órgão do governo responsável justamente por prevenir os desastres naturais ou dar socorro às vítimas quando eles acontecem.

Há mais de 20 anos, a Defesa Civil do Estado de São Paulo conta com os serviços dos especialistas da Somar Meteorologia, que fornecem informações importantes para a elaboração de estratégias. Os profissionais trabalham 24 horas por dia na sala de situação do órgão, fornecendo informações meteorológicas para que o governo saiba, por exemplo, quando emitir um alerta de inundação ou de deslizamentos.

Além disso, o investimento no setor têm aumentado nos últimos anos. A partir de alguns grandes desastres naturais — como os deslizamentos na serra fluminense que, em 2011, levou mais de 900 pessoas à morte —, criou-se um centro nacional especializado para monitorar dados de chuva. Ele registra as informações em todo o país para que se possam prever outros deslizamentos de terra.

Alerta de mau tempo em boletins meteorológicos

Os alertas são ferramentas muito úteis quando falamos na prevenção de desastres naturais. Apesar de o Brasil ser um país relativamente seguro em termos desses acontecimentos, isso não significa que eles não aconteçam. Uma população preparada para uma possível tempestade ou ciente de áreas da cidade que podem sofrer alagamentos pode se proteger melhor e evitar danos ao patrimônio — e, principalmente, à saúde e à integridade física das pessoas.

Previsão de chuvas

No campo, gestores do agronegócio aguardam a previsão de chuvas tanto para aproveitar o período das águas para o plantio e desenvolvimento da lavoura, como para garantir a colheita com tempo seco. 

Já na cidade, as precipitações podem ser sinônimo de muita dor de cabeça e de danos reais. A previsão do tempo alerta a população sobre a possibilidade de chuvas para que possam se programar em seu dia-a-dia. Essa informação pode ser muito útil, por exemplo, para quem está planejando um fim de semana na praia ou se deslocar pelas grandes cidades do alto verão. Com as chuvas fortes desta estação do ano, a previsão ajuda as pessoas a evitarem áreas com maior probabilidade de alagamento.

Previsão de vendavais

Na construção civil, os vendavais são grandes culpados por danos à estruturas de construções em andamento ou já finalizadas. No que tange à Defesa Civil, esses ventos de forte intensidade podem levar a diversos danos não só aos edifícios como também a árvores e postes. A previsão desses eventos dá à população as informações necessárias para que as pessoas possam se proteger, buscar abrigos seguros e evitarem serem vítimas dos ventos fortes.

Análise de áreas de risco

Regiões próximas a barrancos, beiras de rios e em serras podem estar em sério risco quando há a possibilidade de chuvas volumosas, vendavais ou tempestades severas. Para estabelecer quais são essas áreas e definir zonas de evacuação, a Defesa Civil conta com a ajuda das informações fornecidas pelo serviço de meteorologia.

Viu só? No que diz respeito aos desastres naturais, a meteorologia é uma ciência que está envolvida de forma direta. Suas informações são fortes aliadas para prevenir esses desastres ou, pelo menos, minimizar os danos, garantindo a segurança da população.

Se este conteúdo foi interessante para você, assine a nossa newsletter e receba outros artigos como este gratuitamente na caixa de entrada do seu e-mail!